Arquivo mensal: janeiro 2008

Lígia

Cheguei de quase 30 dias de férias.

Mal tento reorganizar a vida, retomar o ritmo, responder os emails e vem essa bomba, essa perda, essa tristeza rasgando o peito: nossa Lígia morreu.

Sem aviso.

Uma estupidez.

Eu ganhei a Lígia de presente da Fal – junto com mais um bando de pessoas lindas – em papel de seda e fitas douradas. Nossa convivência durou um ano…em trocas, confidências, sorrisos, banhos de cheiro, receitas de dieta, trocas de idéia, revelações, poesias, músicas, livros, tirinhas, apoios mútuos, abraços, soluços, sustos, gargalhadas, e um amor que não tem explicação (cês sabem, né, meninas? Não tem como explicar).

Ontem, acordei com minha sorella dizendo: “Beloca, nossa Lígia se foi”. E eu fiquei ali, sentada na cama, deixando as lágrimas correrem pra tentar lavar o susto, pra tentar apagar essa coisa que não podia ser verdade, que devia ser só um pesadelo daqueles que tiram a gente do travesseiro aos soluços…

Um desespero de pensar nos filhos e no marido que ficam…em nós que ficamos sem aquele sorriso rasgado, sem a doçura, a transparência, a gargalhada, o colo e as lágrimas irmãs de Lígia…

Irmã, vai com Deus. Seu caminho será iluminado e amplo como seu coração. E se houver alguma justiça, só de riso, amor e beleza será essa sua nova jornada… Porque você jamais mereceu nada diferente.

…E desculpa pelo email que eu nunca respondi…