Arquivo mensal: novembro 2009

João e Lobão

Eu amo João, mas ele é uma unanimidade. É como achar o Brad Pitt bonito. Não tem jeito, todo mundo acha: homem, mulher, criança, até as borboletas e as minhocas se pudessem vê-lo.

Mas o João Gilberto foi o responsável por me ensinar a sua versão de uma das primeiras musicas ditas infantis que eu amei : Lobo Bobo (de infantil não tem na-da! ). E foi por causa dele também que criamos, lá em casa, o primeiro dueto meu e da minha irmã: Chega de Saudade (que a gente cantava a pedido da família, especialmente do papai.). Daí, além de todos os adjetivos atribuídos a ele pela maioria,  João virou parte da minha história…

Hoje, desavisada,  eu ouvi mais uma vez, essa versão dele pra uma musica que eu já amava, do Grande Lobo (Me Chama). E fiquei passadinha, mudinha, completamente embalada pela voz suavíssima, pelo violão minimal, pelos versos…

Fiquei matutando:  como é que o rock e a MPB, dois conceitos tão diferentes, encontraram nessa gravação uma simbiose tão perfeita?

Não é que tudo nessa vida é o jeito de fazer?

A gente aprende com tudo quanto é coisa, quando quer…

Ouçam:  

No meio do caminho tinha… Um degrau…

 

ZEN… ter ponderação, equilíbrio… às vezes tou tão distante disso.

Muitas vezes eu acho que esperar é a melhor opção. Silenciar, guardar, me resguardar. Poupar minha saliva, meus argumentos.  Mas termino dizendo. Falo antes do tempo certo, eu acho.

Eu devo ter alguma necessidade de verbalizar as coisas, porque não é possível… vcs não imaginam a força que eu faço pra ficar quieta.

Embora a quietude e o silêncio tb me sejam caros e tenham lugar de destaque no meu hall of fame de comportamentos e situações.

No entanto, eu oscilo e termino ficando muito menos tempo do que eu gostaria assim: sossegada.

Pode ser a época, podem ser os últimos acontecimentos ( de uns 4, 5 meses pra cá). Até meu sono tem sido breve… e leve.

Ai a criatura um dia acorda rouca ( pra bom entendedor, shut up your fucking mouth, né?) e no dia seguinte rompe os ligamentos do tornozelo direito ( e o dotô manda ficar 10 dias de pé pra cima, devidamente paramentada por uma botinha de robocop)… Quer dizer, é pra ficar quieta e calada ou o quê?

 

Preciso voltar a meditar.

 

 

cafeina, insônia e lirismo na madrugada (amém!)

Passei uma noite mezzo adormecida, sacumé?

Se não fosse o que me aconteceu na madrugada, diria que foi uma noite mal dormida… Mas escrevi um bocado de coisa. Matutei outro tanto. Escrevi um pouco, li mais um tiquinho. Ai mandei pra quem devia… e recebi essas duas respostas:

Bendito café que ocupa a mentes dos apaixonados. Para os enamorados, a noite é uma porta que une almas e mentes. Mestre sala da permissividade. Os olhos traem o gesto, mas o meu olhar é absoluto quando encontra o seu. Só existem verdades.

Os gestos são decifráveis, são comestíveis, são devoraveis, pele da sua pele. Ao seu lado eu me reciclo, me renovo, me permito. São estrelas reluzindo no meu pequeno mundo com enorme intensidade e que me fazem palpitar de alegria. Luz da esperança perdida que abarca todo meu universo.
Não tenho regras contigo, não as conheço.

E depois, um repente:

Andei tanto pela vida procurando por você
vem a vida e te mostra o que a gente fez  por merecer.
Já não esperava amar, me acostumei a conviver,
como toda a sinceridade tudo é vida com vc.

Agora, meu amor, acredite se quiser
sou feito santo, moço coberto de fé
andei tanto por ai, perdido que nem chipanzé
agora te pego no colo, sou seu para o que der e vier
Tanto tempo eu passei, agoniado sem saber
que ali, bem na esquina, eu iria me surpreender
pensei muito, muito mesmo, quase endoido de enlouquecer
agora na minha vida, posso gritar para todo mundo
que só tenho uma rainha, e essa rainha é você.

Quer dizer… num tem como chamar uma noite dessas de ruim, n’est pas?