Arquivo mensal: agosto 2010

Dias de silêncio

Tem uns dias silenciosamente estranhos.

A casa parece que fica mais sossegada. Os meninos parecem que estão calmos a ponto de dormir antes da hora sem eu mandar. A cachorra nem abanar o rabo abana…

A TV fica mais inútil do que nunca. O telefone parece morto. Na rua, a impressão que dá é que já é alta madrugada de uma segunda-feira, emendada de feriado, sabe?

Um caminho normal, esvaziado de gente… um silêêêncio…

O bar que vive lotado baixa as portas mais cedo.

O bêbado doidinho que costuma esbravejar palavras feias de indignação contra um inimigo imaginário dorme tão sossegado…

Até o bebê do apartamento ao lado calou… devem ter viajado…

De repente, eu sinto. E o que basta num silêncio deste tamanho é isso.

Sinto uma enorme certeza de estar no meu lugar. Como nunca antes. Porque provavelmente pela primeira vez eu me sinto AQUI. SÓ. EM SILÊNCIO.

… e tudo é tão bom!