Arquivo da categoria: “Why so serious?”

Discutindo os rumos da civilização ocidental

Assim, nem o Google…

Fiquei intrigada. O meu blog tem uma ferramenta que me mostra a partir de quais termos de pesquisa uma pessoa cai aqui.

Uns devem ficar satisfeitos e até comentam. Outros devem realmente achar um saco.

Mas e se a criatura procura “cartaz pai de santo cura + abraço + costura”… assim mesmo, tudo junto e misturado?

Eu só consigo imaginar que um nego carente quer fazer um vodu, mas esqueceu o nome do feitiço, né?

Eu acho que botar amor na causa deve resolver, viu, pesquisador baratinado?

E se o caso é ocupar as mãos e o tempo: olha que bonitinho o bonequinho ai de cima! #ficadica

***

Updayting:

Ganhei o caderninho mais lindo do mundo todo!!

Ó:

***

Asamigatudo foram e voltaram da Europa, né?

To vendo as fotos e tomando floral… Acho que vou recorrer a um Rescuezinho básico no fim do dia!

As abusadas bateram perna na Itália até não terem mais pés… ai ai, viu?

E era verão e tava quente e minha sorella ciceroneou todo mundo!

Rescue são 4 gotas, 5 X ao dia, né?

Tá.

Tomando cascudo até do Tarot…


ABRINDO-SE A NOVAS OPORTUNIDADES

O 7 de Ouros emerge do Tarot como arcano de aconselhamento para você neste momento, Bela, sugerindo que neste momento é preciso que você reconheça que a vida é muito mais ampla do que muitas vezes percebemos. Muitas vezes nos limitamos indevidamente, achando que nossas opções são restritas, quando estamos redondamente enganados, ignorando a extensão de nossas reais possibilidades. Enfiamos na cabeça que queremos uma coisa, mas não nos damos conta de que há outras tantas muito melhores ao redor. Procure olhar com mais atenção ao seu redor e você enxergará possibilidades e portas que não havia reparado antes.

Conselho: Olhar pro lado é descobrir o ouro oculto!

(via PERSONARE)


vento, cabeça de vento ou ventania na montanha

ventoooo

Eu não sei de onde vem tanto vento frio… tudo fechado e um ventinho irritantemente gelado insiste em me perturbar. Nessa sêca, ainda por cima, que torna qualquer brisazinha constante quase uma tortura pra olhos, narizes e boquinhas, eu tou de casaco e de meias, em casa… Em pleno “verão” candango.

Mas o que eu tava aqui matutando é que não consigo imaginar a quantidade de perguntas que um sujeito faça (a si mesmo) pra encontrar uma respostinha besta – a da vez seria “Eu não sei”. E é menos possível ainda que as ilações e ligações que uma mente razoavelmente bem mobiliada façam desemboquem em tantas decisões estapafúrdias. Donde devo concluir que:

1. o sujeito rasgou o verbete “dúvida” do dicionário

2. a cabecinha dele não é  bem mobiliada

3. ele é adepto de uma seita imbecilizante  que crê no ego, como quem crê em Deus (embora combata essa postura no discurso)

4. ele é um completo idiota.

Nada boas as opções.

Ou eu tou sendo muito pessimista?

***

Um linda e querida amiga me mandou essa:

– Do que você não abre mão, no seu casamento?

Fias, eu mal respondi, na hora, umas coisas meio bestas. Mas foi ela sair da minha frente e o dia acabar pra eu me dar a função, né?

E tome matutação.

Quem acha que um casamento é “mar de brigadeiro”, monotonia ou mesmice tá bem doido, viu?

Por essas bandas, é a montanha russa mais radical ever!

Deliciosa. Mas tem que ter estômago, camarada.

Que conste nos autos

1. que eu tava quieta, tentando passar, sem ver, por essa avalanche de asneira

2. que não me faço representar por Vanessas ou Marianas

3. que minha lanterna chama-se “Torch daimon”

4.que eu tive Depressão pós-parto (no segundo filho) e passei a gravidez to-da trabalhando – aliás, as duas ( ó que incrível!)

5. que eu sou contralto

Papo de primo

Davi & Caio pequenininhos, 2004
Davi & Caio pequenininhos, 2004

Davi é meu sobrinho e tem 3 anos e meio. Caio é meu filho mais novo, tem sete. Como o meu irmão veio morar comigo, a relação dos dois estremeceu. Caio ficou enciumado, como seu irmão mais velho – Victor, de 15 anos – ficou quando ele nasceu, só que em menor escala.

Caio vive implicando com o Davizuco – esconde os brinquedos preferidos, exclui o primo das brincadeiras, tira a maior onda de “MUUUITO mais velho”, como ele mesmo não cansa de repetir ( embora a gente combata cada gesto de exclusão). Mas a relação de adoração se repete.  O mesmo endeusamento que Caio tem pelo Victor, Davi demonstra pelo Caio.

Ontem, passeando pela quadra, deu-se o seguinte diálogo:

Davi bate no ombro de Caio e diz: – Primão, você é o maior!

Caio com seu indefectível ar de superiorioridade, olha de lado e manda: – Maior o quê?

Davi: – Ué…Maior gente do mundo!

Caio, visivelmente de coração mole: – É… Às vezes é até legal ter um priminho mais novo…

Agora, me diz, que coração não derrete?